expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

Translate

sábado, 26 de janeiro de 2013

Humildade


Ser ou não ser o que todos desejam é sempre difícil, e ter estômago para aguentar a pressão dificulta a vida a muitos.

Fazer escolhas nunca foi fácil, até porque se fosse fácil a vida não tinha a mesma adrenalina. Vivemos num mundo horrivel, de pessoas egoistas, num mundo de interesses, num mundo sem amizade. Querem isto falam com determinada pessoa, querem aquilo mudam o alvo, mas quando precisamos deles, onde estão?

Confiar em alguém tem muito que se lhe diga. Depender de terceiros para a nossa felicidade é um jogo arriscado, que quer queiramos quer não, saimos sempre a perder. Acho que quando um amigo realmente é verdadeiro arranja sempre tempo para o outro, apoia-o em tudo. Em vinte e quatro horas, o verdadeiro amigo arranja sempre pelo menos dez minutos do seu dia para o ouvir, para ajudar. Mas também eu mesma acabo por ser assim, quando não quero digo que não tenho tempo, que não posso, que estou doente, invento desculpas. Sou uma cópia dos outros, uma egoista. E arrependo-me? Infelizmente não. Mas ninguém, ninguém pode julgar-me por isto, porque, ao fim e ao cabo, quem não é assim? Qual de voçes não inventa mil e uma vezes que não tem tempo?

Outra coisa que me indigna é a inveja. A inveja diária que todos sentem uns pelos outros, a ganância. A necessidade de ter o que o outro tem, de ter algo melhor, de se mostrar. Chamo-lhe falta de vontade própria. Falta de humildade.

 

 

A inspiração vem de onde menos esperamos.

Joana Cancelinha Pereira

26 Jan 2013