expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

Translate

terça-feira, 27 de novembro de 2012

Paranoia – então observo o mundo



É incrível como o meu único escape é observar o mundo. Tudo implica alguma coisa, olhar, repara, respirar, ouvir, sentir, saborear, a vida é feita de implicações, obrigações e deveres. Ninguém é livre. Se faço algo levo automaticamente com a consequência.
Então observo o mundo. E o mundo diz-me que não existem boas ou más escolhas. Apenas decisões. Cada decisão tem a sua direta consequência (boa ou má) e as suas indiretas. Não existem também decisões que não afetem terceiros.
Então observo o mundo. E o mundo não me ajuda a tomar decisões com menos ou mais implicações, mas trás consigo uma consequência diretamente positiva para mim: a paz. E a paz é algo que todas as consequências das decisões que tenho vindo a tomar, tem consequentemente desaparecido.
Penso que isto da tomada de decisões, apesar de parecer ponderado, não passa de uma lufada se sorte ou azar. Ou seja, como um jogo. Trata-se de uma questão de sorte pois não há como prever o futuro.
Então observo o mundo. E o mundo diz-me que há que trabalhar para tentar melhorar o futuro, pois não se sabe, em situação alguma, o que se avizinha. Mas diz-me também para não perder muito tempo na tomada de decisões. O que lá vai, lá vai, sumiu-se, o seu tempo já acabou. Então faz e acabou, logo se vê.
Então as pessoas mais próximas não me deixam observar o mundo. E não me deixam observar o mundo porque me acham ridícula, demasiado “temperada”, impulsiva. Demasiado despreocupada. Diferente. Peculiar.
Mas que fiz eu? Algo de errado? Não.
Eu fiz algo não ponderado, mas que como consequência (obviamente indireta) me ajudou a melhorar um pouco, a crescer. Que me salvou de cometer a mesma decisão não ponderada, comparando-a a uma caverna com mil tuneis. Aprendi assim que para a próxima aquele túnel não me vai levar a bom porto. E se não acertar a segunda acerto da próxima vez, até acertar.
E se morrer?
- “ Morres feliz porque morreste a tentar” – disse o mundo. 



Enquanto observas o mundo…
Joana Cancelinha Pereira

27 Nov. 12